• Hellen Caroline Nzinga

A inclusão racial é urgente

Com o ritmo que estamos seguindo no combate ao racismo dentro das empresas só alcançaremos a igualdade em 150 anos



Quando uma pessoa negra deixa de ocupar espaços que garantam tomada de decisão dentro de uma empresa por conta da estrutura social em que nosso país foi construído, não significa apenas a falta de oportunidade para esta pessoa ou para o grupo que ela representa. Perde-se, também, a possibilidade de se ter um país economicamente mais forte e competitivo.


Quanto mais alto o salário e o grau de especialização, menor é o número de pessoas pretas e pardas ocupando cargos de liderança nas organizações. Isso quando não consideramos, também, questões socioeconômicas como idioma, experiências no exterior e outras barreiras que normalmente são enfrentadas pelas pessoas negras de nosso País.


De acordo com a pesquisa ¹Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e suas Ações Afirmativas desenvolvida pelo Instituto Ethos, pretos e pardos são mais de 50% da população economicamente ativa do país, mas ocupam apenas 6% dos cargos de gerência e menos de 5% dos cargos de diretoria ou presidência nas organizações do nosso País.


A pesquisa, que foi feita em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID, ainda revelou que as mulheres representam 60% da força de trabalho nacional, mas a porcentagem de mulheres negras em cargos executivos não chega a 0,4%.


Mesmo que se fale muito na inclusão racial, tema que tem tomado as redes sociais e consequentemente se tornou pauta interna de algumas empresas brasileiras neste ano, o ritmo que se segue no quesito ações efetivas em relação a diversidade é lento e, ainda segundo análise da pesquisa o Instituto Ethos, somente chegaremos a igualdade racial no ambiente de trabalho em 150 anos.


Isso se deve exclusivamente às práticas sociais, culturais e históricas que submetem apenas um grupo social, os negros, ou seja, estamos falando aqui de racismo estrutural. Discutir o racismo estrutural é essencial em qualquer espaço por ser característica desse fenômeno apresentar ideias, consciências e simbolismos extremamente subjetivos e naturalizados que desqualificam uma força de trabalho que, de forma igualitária, seria instrumento de abundância econômica e de desenvolvimento para o nosso país.


Exemplos a seguir e fazer frente ao racismo é o da gigante de cosméticos Avon. Recentemente adquirida pelo grupo Natura &Co, a empresa assinou compromisso de combate ao rascismo em suas unidades, se comprometendo com a luta antirracista, ao ²estabelecer que 30% dos cargos de liderança nos seus setores serão ocupados por mulheres negras até 2030.


Com o plano de avançar 150 em 10 anos, a organização instituiu a obrigatoriedade de, no mínimo, ter uma pessoa negra como finalista em processos seletivos para líderes dentro dos seus principais setores de atuação.


Para colhermos igualdade, as empresas devem acionar um plano de ação e entender que a diversidade e a inclusão são estratégias e não como um tema superficial. E que um debate, uma conversa, um compromisso, ações isoladas não são suficientes para que a inclusão racial possa acontecer de fato.


A luta antirracista é uma causa de todos e não se pode relegar a apenas uma grupo de pessoas, aos negros. Para que este trabalho seja efetivo é necessário traçar estratégias, definir métricas e apontar a inclusão como uma meta a ser alcançada dentro das empresas.





¹INSTITUTO‌ ‌ETHOS.‌ ‌‌Perfil‌ ‌Social,‌ ‌Racial‌ ‌e‌ ‌de‌ ‌Gênero‌ ‌das‌ ‌500‌ ‌Maiores‌ ‌Empresas‌ ‌do‌ ‌Brasil‌ ‌e‌ ‌suas‌ ‌Ações‌ ‌Afirmativas.‌ ‌Disponivel‌ ‌em‌ ‌<‌https://www.ethos.org.br/cedoc/perfil-social-racial-e-de-genero-das-500-maiores-empresas-do-brasil‌-e-suas-acoes-afirmativas/>‌ ‌Acesso‌ ‌no‌ ‌dia:‌ ‌15‌ ‌de‌ ‌novembro‌ ‌2020‌


²‌ ‌EPOCA‌ ‌NEGOCIOS.‌ ‌Avon‌ ‌lança‌ ‌compromisso‌ ‌antirracista‌ ‌e‌ ‌estabelece‌ ‌meta‌ ‌de‌ ‌ter‌ ‌30%‌ ‌de‌ mulheres‌ ‌negras‌ ‌em‌ ‌cargos‌ ‌de‌ ‌liderança‌ ‌até‌ ‌2030‌.‌ ‌‌Diponível‌ ‌em‌ <‌https://epocanegocios.globo.com/empresa/noticia/2020/11/avon-lanca-compromisso-antirracista-e-e‌stabelece-meta-de-ter-30-de-mulheres-negras-em-cargos-de-lideranca-ate-2030.html‌‌ ‌>‌ ‌Acesso‌ ‌no‌ ‌dia:‌ ‌15‌ ‌de‌ ‌novembro‌ ‌2020

41 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

D&I: 5 dicas para uma empresa mais inclusiva

No mês passado, a McKinsey realizou um estudo sobre os benefícios da D&I nos ambientes corporativos em tempos de pandemia, o qual, dessa vez, incorpora uma análise de "escuta social" do sentimento dos

Ambiente seguro também é inclusão!

A população LGBTI+ no Brasil é estimada em cerca de 20-25 milhões de pessoas. Estima-se, pois, num País onde se registra 1 morte por homofobia a cada 26h (https://www.uol.com.br/universa/noticias/reda

Você sabe o que é a LGBTFOBIA?

Estabelecer políticas inclusivas e criar ambientes seguros para profissionais LGBTI+ também é uma questão de compliance de sua empresa. O STF recentemente proferiu uma decisão histórica equiparando a